Blog do Filipe Mota - Notícias de última hora

Escândalo!!! TCE do Maranhão tenta intimidar prefeito que paga despesas da segurança

Prefeito Lahesio Rodrigues acusou o governo Flávio Dino e o Tribunal de Contas de tentativa de intimidação e afirmou que mesmo assim vai continuar trabalhando

O Tribunal de Contas do Estado do Maranhão – TCE, numa clara tentativa de intimidar o prefeito Lahesio Rodrigues, o intimando para que ele preste esclarecimentos sobre pagamentos com alimentação de policiais, peças de viaturas, combustível de viaturas e aluguel de delegacia.

Na verdade, o TCE deveria cobrar do governo Flávio Dino (PC do B), o ressarcimento ao erário público de São Pedro dos Crentes, por não cumprir seu papel constitucional para com a Segurança Pública estadual.

Um verdadeiro escândalo, tentar intimidar apenas o prefeito Lahesio, uma vez que é público e notório que ele faz oposição clara aos desmandos da gestão comunista.

O prefeito Lahesio informou que vai devolver aos cofres públicos do município, todos os pagamentos que ele tem realizado em 10 meses que está à frente da gestão. E vem pessoalmente a São Luís entregar a prestação de contas.

Em tempo: se outros prefeitos que também pagam para manter as viaturas circulando, pagam alimentação, conserto de viaturas e aluguéis de delegacias decidirem fazer o mesmo a segurança pública do Maranhão vai ficar pior do que está.

E mais: porquê o TCE não notificou outras prefeituras????? 

Escândalo no TCE!!! Presidente João Jorge Pavão recebe salário de R$ 64 mil

O presidente do Tribunal de Contas do Estado do Maranhão – TCE, recebeu em outubro deste ano, um supersalário de R$ 64.091,40 (Sessenta e quatro mil, noventa e um reais e quarenta centavos)

Palco de escândalos como funcionários fantasmas e nepotismos, o TCE do Maranhão está envolto a furacão de más condutas. Depois de ter no quadro funcional o filho do deputado federal Waldir Maranhão como comprovadamente funcionário fantasma, aparece agora os supersalários do atual presidente, João Jorge Jinkings Pavão e do presidente eleito por aclamação, José de Ribamar Caldas Furtado.

João Jorge Pavão percebeu no mês de outubro, R$ 64.091,40 (Sessenta e quatro mil, noventa e um reais e quarenta centavos), veja detalhamento abaixo.

Já o presidente eleito do TCE-MA para o biênio 2017–2018, José de Ribamar Cardas Furtado, recebeu supersalários, que variam de de R$ 40 a 57 mil. o primeiro foi no mês de Junho, e o segundo no mês de outubro, como mostram os detalhamentos, abaixo.

Os conselheiros percebem recursos de que variam de Auxílio alimentação a Auxílio moradia. Complementam ainda a fonte de renda, gratificações, representações, abonos e outras indenizações.

Ele não tem jeito!!! Waldir Maranhão é condenado a devolver 10 milhões à UEMA

dino

O ainda Deputados Federal, Waldir Maranhão foi condenado a pagamento de multa de R$ 930 mil e à devolução de quase R$ 10 milhões aos cofres públicos por irregularidades cometidas quando foi reitor da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, no ano de 2005.

Em voto do conselheiro-substituto Osmário Freire Guimarães aprovado por unanimidade pelo Pleno do TCE-MA, o órgão desaprovou a prestação de contas apresentada por Maranhão.

De acordo com relatório assinado por Osmário Guimarães e elaborado com base em uma análise técnica, foram encontradas diversas irregularidades, entre elas:

  • Saldo do balanço patrimonial não correspondente ao inventário físico-financeiro de bens móveis, com diferença de R$ 76 mil;
  • Saldo da conta bens imóveis conflitantes entre o equivalente ao total do inventário físico-financeiro, com diferença de mais de R$ 494,2 mil;
  • Ausência da prestação de contas de decretos do Executivo de abertura dos créditos adicionais (suplementares) e/ou portarias de alteração do Quadro de Detalhamento de Despesa (QDD) com resultado em abertura de crédito adicional;
  • Ausência de comprovação no pagamento de combustível com notas de abastecimento, evidenciando falha de controle administrativo da instituição, entre outras irregularidades.

Não sabemos mais o que ainda falta acontecer com Waldir Maranhão, já foi envolvimento na Operação Lava-jato, Operação Miquéias, Funcionário Fantasma, Filho Fantasma e agora condenação do TCE, e com tudo isso, ele ainda foi homenageado pelo governador Flávio Dino (PC do B), na Assembleia Legislativa. Ao que tudo indica, os crimes compensam para Waldir.

Escândalo no TCE: Gastos com folha de pessoal em 2015, custou 117 milhões

Valor é referente ao período entre maio de 2015 e abril de 2016. Órgão é suspeito de manter funcionários fantasmas em seu quadro

TCE

O peso das despesas somente com o pagamento de pessoal do Tribunal de Contas do Estado (TCE) superou a casa dos R$ 117 milhões. Os dados, apenas de servidores da ativa, são referente ao período entre maio de 2015 e abril de 2016, e faz parte do Relatório de Gestão Fiscal do órgão.

O valor é altíssimo para um órgão que afirma possuir menos de 600 funcionários. Como corresponde apenas a despesa bruta com o pessoal ativo, o valor real é ainda maior, se levado em conta os gastos com pessoal inativo e pensionista, não divulgado por uma decisão interna do próprio TCE-MA, desde 2012. Todo esse dinheiro para pagamento de pessoal, inclusive, pode ter sido embolsado, em grande parte, por funcionários fantasmas.

Comandado pelo conselheiro Jorge Pavão, o órgão é suspeito de ter em seus quadros outros beneficiários ilegais de dinheiro público, semelhantes ao filho do presidente interino da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA). Médico anestesista residindo em São Paulo, o jovem Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso era lotado no órgão e embolsou mais de R$ 200 mil com a sinecura. Porém, como ele era lotado no TCE-MA desde 2003, a Promotoria da Improbidade Administrativa do Ministério Público do Maranhão apura o real valor percebido por ele.

Para descobrir a existência de outros fantasmas no órgão fiscalizar de contas, o juiz Douglas de Melo Martins, da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, chegou a determinar o recadastramento de todos os seus servidores. Contudo, a decisão foi derruba logo em seguida pelo presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Cleones Cunha.

Curiosamente, após se livrar da obrigação de realizar o recadastramento imposto pela Justiça, o TCE-MA informou via assessoria de imprensa que pretende atender a decisão, mas só no final de julho. Enquanto o recadastramento não acontece, o presidente do TCE enfrenta denúncia na Procuradoria Geral da República. Rodrigo Janot foi acionado por entidades da sociedade civil organizada para investigar suposto tráfico de influência entre Pavão, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Humberto Coutinho (PDT), o presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, Cleones Cunha, e o governador Flávio Dino (PCdoB). A denúncia diz respeito a decisões judiciais de Cunha como a que livrou o TCE-MA de recadastrar imediatamente todos os servidores.

Com informações do Atual7