Blog do Filipe Mota - Notícias de última hora

Abraço de afogados…

Guerrinha fratricida entre partidários de Roberto Rocha e Eduardo Braide é comemorada – e estimulada – pelo Palácio dos Leões, que sabe do potencial que tem as duas forças, juntas 

Flávio Dino tenta impedir a união das oposições; e usa inocentes úteis para inviabilizar o diálogo entre Braide e Rocha

A guerrinha de bastidores entre aliados do senador Roberto Rocha (PSDB) e entusiastas da candidatura do deputado estadual Eduardo Braide (PMN) tem sido estimulada por setores do governo Flávio Dino (PCdoB).

Os comunistas sabem que Braide é um potencial candidato a governador e sabem que o apoio de Rocha, com o seu PSDB, torna a disputa absolutamente imprevisível. Isso sem contar o fato de precisarem lidar com a ameaça da força política e do carisma da ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Para alimentar a discórdia entre rochistas e braidistas os comunistas apelam para um dos pontos mais evidentes no perfil do senador tucano: a vaidade.

E estimulam também uma amplificação da crítica ao principal erro político cometido por Eduardo Braide nas eleições de 2016: o desprezo pela classe política na disputa pela Prefeitura de São Luís.

O disse-me-disse começou ainda em julho do ano passado, quando as pesquisas passaram a incluir o nome do deputado estadual nas pesquisas de intenção de votos.

Desde então, o parlamentar passou a figurar à frente de Rocha.

A performance de Braide incomodou os aliados do senador, que acabaram sucumbindo aos encantos do discurso dos aliados de Flávio Dino. Sobretudo pelo fato de o senador não ter atingindo números significativos em nenhum levantamento.

Nesta semana, as alfinetadas rochistas foram intensificadas, sempre batendo na questão da relação política de Braide em 2016. E o bombardeio tem sido comemorado no Palácio dos Leões.

Que, obviamente, espera por um abraço de afogados…

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

 

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Jogou pesado!!! Roberto Rocha garante vaga para Zé Reinaldo na disputa ao Senado

“Temos um débito com Zé Reinaldo e como candidato a governador, ele seria o meu 1º candidato a senador”

O pré-candidato ao governo do Maranhão, Roberto Rocha (PSDB), assumiu hoje (22), o Partido da Social Democracia Brasileira no Maranhão e em coletiva à imprensa, esquentou o jogo político. Ele afirmou que o deputado federal José Reinaldo (PSB), não precisa ficar sendo humilhado para ser indicado na disputa ao Senado Federal pelo grupo comunista. Se ele quiser será o 1º candidato em nossa chapa.

“Temos um débito com Zé Reinaldo e como candidato a governador, ele seria o meu 1º candidato a senador”, afirmou Roberto Rocha.

E Roberto Rocha tem razão!!! Se Zé Reinaldo quiser entrar no  jogo, ele pode simplesmente permanecer no PSB, uma vez que os socialistas devem se aliar aos tucanos no Maranhão em 2018.

 

Roberto afirmou ainda, que seria uma honra ter Zé Reinaldo como companheiro de chapa majoritária e sua eleição seria uma forma de fazer justiça pelos seus atos enquanto político e em favor do Maranhão.

Em tempo: mas o governador é vingativo, uma jogada dessa custaria muito caro, e membros que fazem parte do governo comunista e apoiam Zé Reinaldo iriam sofrer na pele. 

E mais: a jogada de Roberto Rocha em ter Zé Reinaldo em sua chapa seria mais um duro golpe em Flávio Dino, ele já lhe arrancou pelo umbigo, o PSDB, vai levar o PSB e tudo indica que o PPS de Eliziane Gama. 

Pra lembrar: o ano era 2010, Zé Reinaldo e Roberto Rocha se engalfinharam pela disputa ao Senado, e ambos não foram eleitos. Zé ficou em terceiro lugar na disputa com 13,99% (727.602) votos. Rocha amargou a quarta posição, com 12,36% (642.853) votos. Lobão e João Alberto foram eleitos.

Pra fechar: pelo visto, o ex-camarada Roberto Rocha, vai custar mais caro para Flávio Dino, do que ele próprio imaginava.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Roberto Rocha diz para Flávio Dino esquecer o retrovisor e segurar firme o volante

O Senador Roberto Rocha (PSDB), mandou uma de “direita” para o comunista Flávio Dino (PC do B). “Eu espero que ele reflita melhor sobre a história recente do Maranhão. E quem sabe consiga retomar o caminho correto”, disse Rocha

Segundo o Senador da República, quem quem está fortalecendo o atraso no Maranhão é o próprio governador Flávio Dino e o sua gestão. É o avanço do atraso e  com um agravante, que é o de conjugar o atraso de sua gestão com o atraso de gestões passadas.

“Se tivesse feito o que prometeu desde o início, um choque de capitalismo, não haveria necessidade de oferecer ao nosso povo uma nova via política, de respeito à produção, de atração de investimentos, estímulo ao empreendedor e principalmente de não confundir o estado com o partido e realmente iniciar um projeto de desenvolvimento voltado para o desabrochar das forças produtivas, onde a exploração política da pobreza dê lugar à exploração econômica da riqueza”, afirmou o Senador.

Rocha foi além e disse que espera que o governador do Maranhão reflita sobre a história recente do Maranhão para que consiga contornar a péssima gestão que vem fazendo.

Faço minhas as palavras do governador Flavio Dino: “Eu espero que ele reflita melhor sobre a história recente do Maranhão. E quem sabe consiga retomar o caminho correto”, pontou.

O grande problema é que a gestão está chegando ao fim e Flávio Dino vai tentar requentar o mesmo discurso da mudança, do atraso e terra arrasada para justificar sua incompetência administrativa.

Em tempo: as promessas de campanhas de Flávio Dino ficaram apenas nos muitos comícios pelo Maranhão.

E mais: chegando ao término de sua gestão, o governador precisa mostrar que os 4 anos à frente dos leões resultaram em mudanças efetivas ao povo maranhense, será que tem como mostrar???

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Grupos partidários independentes podem pousar no palanque de Wellington do Curso

wellington-do-curso-andre-fufuca-e1467981718474-940x540

Após o escriba das mídias palaciano, Marcio Jerry, dar o tom ao pensamento articulado do governador da mudança, Flavio Dino (PC do B), em relação a seu consorcio de candidatos à prefeitura de São Luís, na qual elenca, Edivaldo Holanda, Bira do Pindaré, Eliziane Gama e por um lapso de memória, Eduardo Braide. Tudo indica que o “bloco político independente”, que tem como seu líder maior o Senador Roberto Rocha (PSB), possa embarcar na candidatura que mais cresce na capital, segundo todas as pesquisas registradas até momento, a do pré-candidato Wellington do Curso (PP), em busca de uma via alternativa ao projeto de poder comunista, implantado nas eleições de 2012 e 2014.

Roberto Rocha tem conversado com André Fufuca (PP), que é o maior articulador da campanha de Wellington, e tudo indica que se amarrarem os contrapontos, o Partido Socialista Brasileiro – PSB, venha indicar o vice na chapa.

Como Dino já colocou seu consórcio na rua, resta agora estes grupos se reunirem e fazer o contraponto, a este projeto falido da mudança em São Luís e até agora, passados 18 meses do governo Flávio Dino.

Com Wellington do Curso turbinado com o PSB e mais alguns outros partidos independentes, o consorcio comunista pode definhar, faltando apenas 29 dias (4  semanas), para o fim do prazo das convenções partidárias, muita coisa ainda pode acontecer.

E mais: Para os que gostam de números, faltam apenas 82 dias (12 semanas), para a eleição de domingo (2) de outubro. 

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Blog do Filipe Mota is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache