Blog do Filipe Mota - Notícias de última hora

O que aconteceu com os clubes de futebol maranhenses que já disputaram a 1ª divisão ???

Desde que disputaram a primeira divisão pela última vez, o que aconteceu com essas equipes do Maranhão?

O que houve com os clubes que uma vez disputaram a primeira divisão do Brasileiro, representando o Maranhão desde sua última participação na competição?

PLACAR traz o histórico dessas equipes desde a última vez que disputaram a série A do Brasileiro.

Veja abaixo:

Clubes do Maranhão que já jogaram a primeira divisão: Maranhão, Moto Club e Sampaio Corrêa

MARANHÃO ATLÉTICO CLUBE – MAC

Jogou a série A pela última vez em 1980, ficando na lanterna do torneio. Em 1981, jogou a série B e caiu na primeira fase, ficando na vice-lanterna de sua chave. Voltou a jogar a segunda divisão em 1983, e passou pela primeira fase em primeiro lugar de sua chave, com o Guarany-CE em segundo lugar. Na segunda fase, ficou em terceiro de seu grupo, com derrotas para Guarani-SP e Central-PE ficando sem vaga na série A ou sequência da série B.

Em 1984, eliminou o Tiradentes-PI na primeira fase do torneio. Na segunda, caiu diante do Remo-PA, com duas derrotas. Em 1986, voltou à série B e caiu na primeira fase do torneio, a dois pontos (uma vitória) o Treze-PB, que se classificou na sua chave. Em 1987, foi eliminado na primeira fase do Módulo Branco, espécie de série C, na lanterna de sua chave, que teve Ferroviário-CE e Sampaio Corrêa-MA como classificados.

Em 1989, esteve na série B e caiu na primeira fase, no grupo em que se classificaram Moto Club-MA e Remo-PA. Em 1990, voltou a jogar a série C e caiu novamente na primeira fase, eliminado no grupo que teve Paysandu e Fortaleza como classificados.

Em 1991, voltou para a série B, e caiu novamente na primeira fase, em chave que teve Sampaio Corrêa-MA e Paysandu classificados. Depois disso, voltou apenas a jogar a série C em 2002. Contudo, como nos últimos anos, caiu na primeira fase, atrás de Ferroviário-CE e Ríver-PI. O mesmo aconteceu em 2003, quando o time caiu com quatro derrotas em quatro jogos, com Viana e Chapadinha, ambos do Maranhão.

Jogou sua última série C em 2006. Dessa vez, o clube passou pela primeira fase, em segundo lugar, atrás apenas do Ríver-PI. Na segunda fase, o time foi terceiro em sua chave e perdeu vaga para Ananindeua-PA e Tuna Luso-PA.

Voltou a jogar o torneio nacional em 2013, na série D. Na ocasião, caiu na primeira fase, perdendo vaga para Gurupi-TO e Salgueiro-PE. Em 2016, volta a jogar a série D.

MOTO CLUB DE SÃO LUÍS

Jogou sua última série A em 1984. Em 1985, o time jogou a série B e caiu logo na primeira fase, para a Tuna Luso-PA. No ano seguinte, voltou a jogar a série B e voltou a cair na primeira fase, em grupo cuja vaga ficou com o Treze-PB.

Em 1987, jogou o Módulo Branco, equivalente a uma espécie de série C. Passou como o primeiro lugar de sua chave na primeira fase. Na segunda, foi eliminado com derrota para a Tuna Luso-PA na prorrogação. Voltou na série B de 1989, pasando em primeiro de sua chave na primeira fase, com o Remo-PA em segundo. Na segunda fase, após dois empates por 1 x 1, foi eliminado pelo Ceará nos pênaltis.

Em 1990, passou em segundo na primeira fase da série B, atrás apenas do Sport em sua chave, por um gol. Na segunda, classificou-se como o segundo lugar de sua chave, atrás apenas do Catuense-BA. Na terceira, no entanto, foi lanterna de sua chave, que teve o Sport como classificado. Em 1991, foi lanterna de sua chave na primeira fase da série B. Jogou a série C em 1992 e ficou em segundo lugar de sua chave na primeira fase, eliminado novamente pela Tuna Luso-PA.

Em 1993, jogou o qualificatório para a série B de 1994 e conseguiu vaga, vencendo o Sampaio Corrêa-MA no jogo decisivo. Em 1994, classificou-se na primeira fase da série B. Na segunda, no entanto, ficou em terceiro de sua chave e viu a Desportiva-ES se classificar. Em 1995, o time caiu na primeira fase da série B, perdendo vaga em seu grupo para o América-RN, por um gol marcado a menos.

Em 1996, classificou-se na primeira fase da série B com a segunda colocação de sua chave. Na segunda, eliminou o Santa Cruz, mas na terceira, caiu diante do América-RN, com uma goleada em Natal. Em 1997, foi lanterna de sua chave na primeira fase da série B e acabou rebaixado.

Em 1998, voltou a jogar a série C e ficou em primeiro de sua chave na primeira fase. Na segunda, eliminou o Vênus-PA, com goleada em casa. Na terceira, no entanto, caiu diante do São Raimundo-AM. Em 1999, novamente na série C, passou pela primeira fase com o segundo lugar de sua chave, atrás apenas do Botafogo-PB. Na segunda fase, no entanto, foi eliminado pelo Fluminense, com derrotas em Juiz de Fora-MG e no Maracanã.

Jogou o Módulo Verde da Copa João Havelange em 2000, classificando-se em terceiro de sua chave na primeira fase. Na segunda fase, passou como primeiro lugar de sua chave, chegando a fase final dos módulos. Contudo, nesta, foi lanterna de um grupo, cujo classificado foi o Malutrom-PR.

Em 2001, jogou a série C, mas foi lanterna de sua chave, eliminado na primeira fase. Não disputou o torneio em 2002 e 2003, mas voltou em 2004. Passou com o segundo lugar de sua chave, atrás apenas do Sampaio Corrêa-MA. Na segunda fase, foi eliminado pelo Limoeiro-CE.

Em 2005, voltou à série C, e passou pela primeira fase como primeiro lugar de sua chave. Na segunda, no entanto, foi eliminado pelo Abaeté-PA nos pênaltis. De 2006 a 2008, não se classificou para jogar a série. Jogou a série D de 2009, mas caiu na primeira fase, para São Raimundo-PA e Cristal-AP.

Não jogou o torneio de 2010 a 2013, voltando à série D de 2014, passou em primeiro lugar de sua chave, com o Remo-PA em segundo. Na segunda, eliminou o Ituano-SP nos pênaltis, mas caiu diante do Tombense-MG nas quartas de final, ficando sem o acesso.

Não disputou o torneio em 2015 e volta a jogar a série D em 2016. Atualmente disputa a Série C.

SAMPAIO CORRÊA

Sua última Série A foi em 1986. Em 1987, jogou o Módulo Branco, espécie de série C. Passou com o segundo lugar de sua chave na primeira fase, atrás do Ferroviário-CE. Na segunda, foi eliminado pelo Botafogo-PB nos pênaltis. Não disputou torneio algum em 1988, mas voltou à série B em 1989.

Contudo, acabou eliminado na primeira fase, em grupo cujos classificados foram Moto Club-MA e Remo-PA.

Não se classificou para nenhum torneio em 1990, mas voltou a jogar a série B de 1991. O time passou em primeiro lugar de sua chave na primeira fase. Na segunda, após dois empates em 0 x 0 com o ABC-RN, o time perdeu sua vaga nos pênaltis. Em 1992, jogou a série C e caiu na primeira fase, em grupo que classificou a Tuna Luso-PA. Em 1993, perdeu a vaga para a série B de 1994 ao ser derrotado pelo rival Moto Club-MA.

Não jogou torneio nenhum em 1994, mas voltou à série C em 1995, passando em primeiro na primeira fase, mas perdendo para o Picos-PI na segunda. Em 1996, passou em segundo de sua chave na primeira fase da série C, atrás apenas do Gurupi-TO. Na segunda, eliminou o Fortaleza, e o Potiguar-RN na terceira. Nas quartas de final, no entanto, pelos gols marcados fora de casa, acabou eliminado pelo Porto-PE.

Em 1997 a história mudou e o Paio venceu a série C. Passou em primeiro de sua chave na primeira fase. Na segunda, eliminou o Quixadá-CE, enquanto na terceira, venceu o Santa Rosa-PA, rival também na primeira fase.

Nas quartas de final, venceu o Ferroviário-CE com duas vitórias, incluindo uma goleada. Já no quadrangular final, foi campeão e ficou com o acesso, com o Juventus-SP em segundo lugar.

Na série B de 1998, foi eliminado na primeira fase do torneio, perdendo para o Vila Nova-GO no saldo de gols, e foi uma das únicas duas equipes eliminadas nesta fase que não foram rebaixadas, ao lado do Bahia.

Em 1999, o time foi 16° na primeira fase da série B e não caiu por ter uma vitória a mais que o União São João e graças à vitória deste sobre o Criciúma na última rodada do torneio.

No Módulo Amarelo da Copa João Havelange de 2000, foi terceiro colocado de seu grupo na primeira fase, classificando-se para as oitavas de final do módulo. O adversário foi o Caxias-RS, que se classificou com uma vitória no Sul e empate em 1 x 1 no Maranhão. Na série B de 2001, o time escabou do rebaixamento por ter uma vitória a mais que o Sergipe, que foi para a disputa da repescagem, salvando o Paio.

Já em 2002, o time não suportou a pressão e foi rebaixado na série B. Voltou para a série C em 2003 e classificou-se em segundo na primeira fase, atrás apenas do Imperatriz-MA e com a vaga por ter saldo de gols melhor que o Santa Inês-MA. Contudo, na segunda fase, foi eliminado pelo Viana-MA.

Em 2004, voltou a disputar a série B e classificou-se em primeiro na primeira fase, com o Moto Club-MA em segundo. Na segunda, passou pelo Parnahyba-PI pelo gol marcado fora de casa. Já na terceira, foi eliminado pelo Limoeiro-CE pelo mesmo motivo: o gol fora de casa.

Em 2005 e 2006 não se classificou para a série C, mas voltou em 2007. Neste ano, passou pela primeira fase com o segundo lugar de sua chave, atrás apenas do Barras-PI. Na segunda fase, no entanto, acabou eliminado por Rio Branco-AC e Tuna Luso-PA em sua chave. Na série C de 2008, o time passou em segundo de sua chave na primeira fase, atrás apenas do Picos-PI, e com um ponto a mais que o Barras-PI. Na segunda fase, no entanto, voltou a ficar em terceiro de sua chave, eliminado por Águia de Marabá-PA e Paysandu-PA.

Com isso, ao menos, garantiu-se na série C de 2009, já que a série D surgia. Contudo, nessa disputa, o time foi lanterna de sua chave na primeira fase e acabou rebaixado. Em 2010, classificou-se com a segunda colocação de sua chave, que teve tríplice empate, com Guarany-CE em primeiro e JV Lideral-MA em terceiro, pelo saldo de gols. Na segunda fase, goleou o CSA-AL e empatou o segundo jogo, classificando-se. Já na terceira fase, acabou eliminado pelo Guarany-CE.

Voltou a jogar a série D em 2011, atrás apenas do Independente-PA em seu grupo na primeira fase. Contra o Cuiabá-MT, logo na segunda fase, acabou eliminado. Em 2012, contudo, o time maranhense venceu a série D. Passou em primeiro de sua chave, com 100% de aproveitamento, com o Mixto-MT em segundo, com metade dos pontos. Na segunda fase, eliminou o Vilhena-RO com empate e goleada. Nas quartas de final, passou pelo Mixto-MT com dois empates, classificando-se com o gol fora de casa. Com isso, o time do Maranhão garantiu o acesso. Na semifinal, contra o Baraúnas-RN, passou com um empate e uma vitória em casa. Por fim, na final, empatou e venceu o CRAC-GO, conquistando a série D de forma invicta.

Em 2013, classificou-se na primeira fase da série C, com o quarto lugar de sua chave, com um ponto a mais que Fortaleza e CRB-AL e ficando atrás do Treze-PB pelo número de vitórias. Nas quartas de final, venceu o Macaé-RJ em casa e empatou no Rio de Janeiro, garantindo acesso para a série B. O time

do Maranhão ainda eliminou o Vila Nova-GO na semiinal do torneio, mas perdeu adecisão para o Santa Cruz, com derrota no Arruda.

Desde 2014, joga a série B. Ficou na metade da tabela em 2014 (10°) e foi oitavo em 2015, sonhando com o acesso. Em 2016 foi rebaixado e volta a jogar o torneio, pela Série C em 2017.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Márcio Jardim libera certificados da Lei de Incentivo para Moto Club e MAC

A parceria voltou a ser tratada entre os clubes e o secretário de Esporte e Lazer, Márcio Jardim

Secretário Márcio Jardim entrega Certificado de Mérito do Esporte que permite buscar recursos financeiros amparados pela Lei de Incentivo ao Esporte

Clubes maranhenses vão fazer uma nova tentativa junto ao governador Flávio Dino para tentar firmar uma parceria para o Campeonato Brasileiro de Futebol.

Muita gente acha que os clubes vão de fato pedir dinheiro ao governo, mas não vejo assim. Os clubes de futebol têm uma mídia muito grande e o futebol em si é uma fonte geradora de milhares de empregos.

Com as arrecadações pequenas nos jogos e sem nenhuma ajuda da iniciativa privada que não apóia o futebol maranhense, com raras excessões, a única saída para os clubes é bater na porta do poder público, mas esse caminho está cada vez mais complicado mediante ao cenário atual de crise.

Após ser dado como certo que o governo não provaria o projeto dos clubes pela Lei de Incentivo, o assunto voltou a ser tratado entre os clubes e o secretário de Desporto e Lazer (Sedel), Márcio Jardim.

Os clubes alegam que foi apresentado um valor menor do que estimavam e que desde o início da competição já vem divulgando a marca do Governo do Maranhão nos uniformes.

Em contato com o secretário Márcio Jardim, ele disse que não existe valor menor, mas proporcional ao número de jogos. “O projeto propunha x valor para a quantidade de jogos. Nós faremos correspondente ao returno”, adiantou. Ele acrescentou que nesta sexta-feira deve começar a liberar os certificados.

O valor do Moto Club seria de R$ 250 mil e do MAC R$ 150. O Sampaio não apresentou projeto à Sedel.

Vale destacar também, que a Sedel não vem recolhendo dos clubes um centavo sequer ao Fundo estadual do Esporte dos custos do Castelão.

Além disso, os clubes recolhem com o aluguel dos pontos de bares e lanchonetes no estado. Isso também é uma ajuda aos clubes e que não tem sido divulgado por ninguém, nem mesmo pela Sedel.

Diga-se de passagem tudo isso era liberado também na gestão do ex-secretário Joaquim Haickel, no governo Roseana como forma de ajudar os clubes.

Mas por outro lado é importante destacar a situação das equipes, que mesmo diante de tanta dificuldade ainda foram ao mercado e buscaram reforços essa semana para tentar quem sabe o acesso que será importante para levar o nome do Maranhão cada vez mais longe.

Com informações do Blog de Zeca Soares

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Escândalo no Futebol Maranhense!!! Regulamento foi alterado para beneficiar deputado

A Federação Maranhense de Futebol – FMF “interfrotou” o Regulamento do Campeonato Maranhense de Futebol diferente do que foi praticado em 2016. “Interfrotação” rasga o Estatuto do Torcedor, a ética e a pouca moral que a entidade ainda tinha

Algo de muito podre está ocorrendo no Futebol Maranhense, a FMF modificou a regra da competição na véspera do jogo que iria definir os finalistas. Todos estão acompanhando o desenrolar do imbróglio envolvendo a Federação Maranhense de Futebol no que diz respeito à lambança emplacada este ano.

A FMF, através de sua Vice-presidência de competições editou uma “PORTARIA” para declarar o Sampaio Corrêa como detentor de vantagem para jogar pelo empate contra o Moto Club no jogo válido pela semifinal do campeonato, que acabou empatado em 2 a 2.

Renda, Mando de Campo e vantagem de jogar pelo empate foram transferidos, via Portaria, para o tricolor.

O Moto Club de São Luís deu entrada em Mandado de Segurança, para que o Tribunal de Justiça Desportiva revisse a portaria a FMF e aplicasse o regulamento, que dá ao primeiro colocado do grupo a vantagem de jogar pelo empate.

O Sampaio foi o 2º colocado do Grupo A com 8 pontos e o Moto, o 1º do Grupo B com 6 pontos. 

A Tabela do 2º turno também beneficiou o Sampaio Corrêa, que de 4 jogos, fez 3 dentro de casa em confrontos contra o Cordino, Americano e Maranhão, todos no estádio Castelão.

Já o Moto Club teve que jogar em São José de Ribamar, no péssimo estádio do São José, o Dário Santos e depois teve que ir à Imperatriz, cerca de 1300 quilômetros no total. 

O Moto se baseou na regra contida no Regulamento, que é o mesmo do campeonato de 2016, e que ano passado a FMF deu a vantagem ao primeiro colocado dos grupos, independentemente se os segundos colocados tiveram mais pontos do que os primeiros dos outros grupos.

O Estatuto do Torcedor, em seu Artigo 9º, parágrafo 5º é bem claro, o Regulamento de todas as competições no Brasil só podem ser modificados após 2 anos de vigência do mesmo, portanto, não será uma “Portaria” que definirá o campeonato.

§ 5º É vedado proceder alterações no regulamento da competição desde sua divulgação definitiva, salvo nas hipóteses de:
I – apresentação de novo calendário anual de eventos oficiais para o ano subseqüente, desde que aprovado pelo Conselho Nacional do Esporte – CNE;
II – após dois anos de vigência do mesmo regulamento, observado o procedimento de que trata este artigo.

A FMF cometeu um crime após modificar o Regulamento e para justificar o golpe, utilizam o artifício que só agora a entidade fez uma interpretação do regulamento, fato este que é enganoso, desleal e criminoso. A interpretação do regulamento feito pela própria FMF, na qual aplicou em 2016, diz claramente que “mesmo tendo maior número de pontos o segundo colocado não terá a vantagem de jogar pelo empate, mas sim os primeiros colocados de cada grupo”.

A FMF diz que este ano, dois dias antes do jogo decisivo, baixou a portaria com a nova interpretação, contudo, o relator do Mandado de Garantia do Moto Club, Gutemberg Braga, nos campeonatos anteriores a vantagem prevista nos regulamentos sempre foi do primeiro colocado em cada grupo.

Com isso, a “Porcaria” editada da FMF gerou uma vantagem INDEVIDA ao Sampaio Corrêa criando um clima ridículo na Federação.

O deputado estadual Sérgio Frota (PSDB), largou a Assembleia Legislativa do Maranhão e se mandou para o Rio de Janeiro, para tentar mexer os ‘pauzinhos’ e dar um jeitinho brasileiro na decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva – STJD, tanto que conseguiu liminarmente suspender o Campeonato Maranhense.

A bem da verdade é que 2018, teremos eleições e se o Sampaio Corrêa não tiver calendário, os votos não aparecem,  a tábua de salvação do deputado-presidente da Bolívia Querida está em jogo. Se perder esta no STJD, Sérgio Frota não terá mais uma ‘bandeira’ para levantar, a não ser que invista pesado na Série C e faça subir o time para o Brasileirão da série B, mas esta é outra história.

O interesse agora é outro…

 

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Célio Sérgio será o novo presidente do Moto Club de São Luís

jornalista-celio-moto-768x576

O jornalista Célio Sérgio confirmou sua candidatura à Presidência do Moto Club de São Luís, sua chapa tem como vice-presidente, Marcelo Poeta, vereador eleito na Capital.

Célio já faz parte do grupo de apoio que vem comandando o Moto nos últimos anos, e vem colhendo bons frutos, principalmente na área do marketing.

O sócio torcedor do Papão, que ainda engatinha no Estado, deve ser uma das áreas fortalecidas pelo novo presidente. Ele trabalha para buscar a união rubro-negra em prol de um clube cada vez mais forte, por isso não descarta a participação de ninguém que queira colaborar com o Papão neste novo momento.

A continuidade do que já foi realizado dentro e fora de campo poderá ser um triunfo para o Rubro-Negro na busca pelo bicampeonato maranhense e na preparação para a Série C. Segundo Sérgio, o empresário Neco Figueiredo que já foi presidente do clube retorna para comandar a diretoria de patrimônio. Outros nomes que vão compor a chapa deverão ser divulgados nas próximas horas.

A eleição está marcada para o dia 25 de novembro.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Em 2017: Sampaio Corrêa na série C e Moto Club na D

Sampaio-e-Moto-decidem-um-titulo-como-nos-velhos-tempos

Está mais que evidente, que os dois maiores clubes do Maranhão, que tem uma imensa torcida, fracassaram neste ano de 2016.

O Sampaio Corrêa, com apenas 14 pontos está na lanterna do Brasileiro da série B e fatalmente não saírá dela até o final da competição. Ao Tricolor, apenas resta juntar os farelos e se preparar para a série C do ano que vem.

O Moto Club, mais uma vez, tal qual como em 2014, deixou escapar a chance que tinha nas mãos de tentar um acesso à série C e fazer o “Super Clássico” com o seu maior rival numa divisão do campeonato nacional. O Papão já tem vaga garantida na série D em 2017, para tentar mais uma vez o acesso e sair do “limbo” do futebol brasileiro.

Os dirigentes de Moto e Sampaio, que são também políticos, devem agora, repensar as duas fórmulas, tanto a política quanto à do futebol. Uma vez que, com o fracasso das duas equipes, a busca pelo voto fica cada dia mais escassa.

Contudo, muitos torcedores fanáticos e apaixonados, poderão esculhambar, como diz o bom maranhense, que este Blog é pessimista, desleal e dentre outros, porém, já mais poderão dizer que é surreal.

Enfim, espero que 2017 seja um ano melhor para os clubes maranhenses, os fiéis torcedores destas duas grandes equipes mereciam mais.

P.S: Espero do fundo do coração, que este Blog esteja COMPLETAMENTE ERRADO, e que todo rabisco acima, seja apagado pela história, pois, sou torcedor louco e apaixonado, por um deste dois clubes!!!!

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Técnico diz que torcida do Moto Club não faz diferença

motoclubtorcida

O técnico do Atlético Acreano, Álvaro Miguéis, disse não estar preocupado com uma possível pressão da torcida do Moto Club, na partida marcada para o sábado, às 17h, no Estádio Castelão pelo mata-mata que vai apontar as quatro equipes que estarão na Série C em 2017.

Álvaro Miguéis disse ao Globoesporte.com que está buscando informações do Moto e afirmou que torcida não joga.

“Ainda não sei muita coisa. Vou olhar algumas informações que estão me passando. Para mim não faz diferença. Torcida não joga. Quem joga são só 11 dentro de campo. Sei que é um bom time como todos os outros, mas vamos lá, enfrentá-los e esperamos nos classificar”, disse.

A declaração do treinador do time acreano não chega a ser uma provocação, mas serve para motivar ainda mais a torcida do Moto a lotar o Castelão.

Até aqui, apesar de vibrante, a torcida do Moto ainda não mostrou toda a sua força na competição. Os melhores públicos registrados foram contra a Juazeirense (8.416), Águia (6.354) e Santos (5.385). E ocupa apenas a terceira colocação no Ranking de público da série D.

 

 

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Lei de incentivo: CEMAR patrocinará Moto Club e Sampaio no Brasileirão

O patrocínio da Companhia Energética do Maranhão – CEMAR,  para os clubes foi concretizado na manhã desta quarta-feira (27). Moto e Sampaio receberão nos próximos dias, dois milhões e seiscentos mil reais (R$ 2.600.000) para investirem nas campanhas do Campeonato Brasileiro das séries B e D.

Cemar

O Sampaio Corrêa ficará com R$ 2 milhões e o Moto Club com R$ 600 mil. Os recursos devem cair nas contas dos clubes em uma semana. Isso foi possível por meio da Lei de Incentivo ao Esporte, criado no governo Roseana Sarney.

O atual governo validou os projetos e os clubes puderam “correr atrás” do dinheiro. Assim, a CEMAR investe nos clubes e ganha isenção fiscal. O Estado ganha também pelo fato de incentivar investimentos em uma área importante no desenvolvimento social: o entretenimento, que gera empregos direta e indiretamente. Aspecto fundamental ainda mais neste momento que se busca sair de uma crise financeira nacional.

Assinaram o convênio pela Companhia Energética, o vice-presidente de Operações, Sérvio Túlio, e o diretor de Gente e Gestão e Finanças, Humberto Nogueira. O diretor de Comunicação e Marketing, Luís Carlos Cardoso, também participou da solenidade.

Para o Sampaio, o dinheiro serve para aliviar a despesa com o alto custo de um time na Série B. Para o Moto, vai ser fundamental para aumentar a força do time nesta reta importante da Série D e tentar subir para a Série C. O problema para este jogo de domingo é o pouco tempo para confirmar reforços. No entanto, para o jogo de volta, dia 7 de agosto, contra o Águia de Marabá-PA, os reforços devem estar à disposição.

Mas um detalhe chamou atenção. A diferença dos valores entre os clubes. A justificativa de que o Sampaio está na Série B e o Moto na Série D pode ser usada para justificar esta diferença, mas é bem aí que acredito que está o erro, pois quem está na Série B recebe um apoio milionário por direitos de transmissão. Na Série D, o máximo que os clubes tem pela CBF é auxílio com hospedagem, alimentação e viagem.

Para o Moto, este dinheiro serve também para clarear a pré-temporada para o próximo ano, pois a Série D vai até outubro deste ano.

Com informações do Blog do João Ricardo

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais