Blog do Filipe Mota - Notícias de última hora

Empresário dono da Rey do Vidro, doou R$ 55 mil para a campanha de Flávio Dino

Funcionário Público, Aldo Oberdan acusou empresários de terem lavado dinheiro com sua empresa e que sofreu ameaça por parte de Igor Mesquita, do Rey do Vidro

Empresário Igor Mesquita teria ameaçado Aldo Oberdan

O empresário Aldo Oberdan relatou em depoimento que teria sido ameaçado por um empresário, segundo ele, seria Igor Mesquita, dono da loja Rey dos Vidros, situada na Camboa. Empresa também participou de doações da campanha de Flávio Dino (PC do B).

Aldo Oberdan acusa Carlos Alberto Miranda e Igor Mesquita de terem usado sua empresa a Aldoimagem para lavar dinheiro na campanha do então candidato ao governo do Maranhão, em 2014, Flávio Dino.

O Blog fez uma busca e encontrou que a empresa Rey do Vidro LTDA, CNPJ: 69.577.21/0001-98 doou R$ 25.825,00 (Vinte e cinco mil, oitocentos e vinte e cinco reais), ao Comitê Financeiro do candidato Flávio Dino e mais R$ 30.000,00 (Trinta mil reais), ao Comitê Financeiro do PC do B, no total, foram mais de R$ 55 mil em doações, como mostra abaixo, o infográfico.

O empresário Igor Mesquita, figura como amigo em comum com os membros do PC do B, Márcio Jerry e Ednaldo Neves, e também com o vereador Marcelo Poeta, também do mesmo partido.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Não tem como se esconder…

As datas de envios do dinheiro coincidem com as suspeitas envolvendo o partido de Flávio Dino e as empresas investigadas na operação Lava Jato

“encontrei uma vez Márcio Jerry, dentro do banco, eu cobrei dele. Aí ele disse ‘não rapaz não posso falar disso aqui, tem câmera e tudo, vai no partido’,

O PCdoB, o governo Flávio Dino e os seus aliados têm tentado minimizar os efeitos da denúncia segundo a qual o partido lavou dinheiro na campanha eleitoral ele 2014. Mas a cada explicação – ou tentativa de – os comunistas se enrolam cada vez mais em uma teia que levanta suspeitas gravíssimas de ilegalidade pura e simples para eleger Flávio Dino governador.

O partido admite ter uma dívida, de cerca de R$ 800 mil, com a empresa Aldo Oberdan Pinheiro Montenegro-ME. Mas não consegue explicar para onde foram esses R$ 800 mil, já que os R$ 1,3 milhão entraram e saíram da conta do partido no mesmo dia. E se não pousaram na conta da empresa, para algum outro lugar foi desviado.

Outro problema envolve as notas fiscais da Aldo Oberdan Montenegro. Os documentos comprovam o recebimento do dinheiro total – e não apenas parte, como alega o PCdoB. É bem nesse ponto que se levantam as suspeitas de lavagem de dinheiro, uma vez que o dinheiro saiu da conta do PCdoB.

A empresa – que neste período estava sob administração de um terceiro, ligado ao próprio partido, e não do seu titular – emitiu a nota dando conta do recebimento, mas apenas parte do recurso chegou, efetivamente, na conta.

O curioso, e ainda mais complicado para os comunistas é que as datas coincidem com as suspeitas envolvendo o partido de Flávio Dino e as empresas investigadas na operação Lava Jato. Foi nessa época, segundo delatores, que foram repassados recursos para o PCdoB, e para o próprio Dino, segundo relatos nunca investigados pelo Ministério Público Federal.

O PCdoB, portanto, pode dizer o que quiser – e tem mostrado em suas notas que não tem muito o que dizer -, mas não conseguirá escapar, pelo menos, de ter de se explicar à Justiça Eleitoral e à Justiça Federal. E se a explicação continuar nesses termos, terá problemas sérios a resolver no futuro.

Ameaça – O empresário Aldo Oberdan Montenegro, que denunciou o uso de sua empresa para suposta lavagem de dinheiro do PCdoB, diz ter sofrido ameaça de morte dos comunistas.

– Falei com o presidente do partido na época, o nome dele hoje não me lembro mais. Ele virou para mim e disse assim, se eu não tinha medo de morrer. Eu disse: “Mas eu não fiz nada de errado, meu irmão” – contou o empresário.

A ameaça de morte também consta na denúncia que o empresário prestou e que faz parte da Representação encaminhada à Procuradoria-Geral da República.

Repercussão – A suspeita de lavagem de dinheiro na campanha do PCdoB deve ser um dos temas de hoje, no plenário da Assembleia Legislativa.

Deputados de oposição pretendem trazer novas denúncias e novas provas de que os comunistas teriam movimentado recursos de forma irregular na campanha de 2014.

O assunto deve render durante todas as sessões desta semana.

Com informações da Coluna Estado Maior

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Flávio Dino: um crime atrás do outro…

Governador do Maranhão, que se diz líder nas pesquisas, comete um crime atrás do outro; justiça eleitoral pune com multas Click To Tweet

A Justiça Eleitoral do Maranhão, determinou ontem (7), que o governador Flávio Dino (PC do B), exclua da propaganda institucional do governo, da tv e das redes sociais, um trecho que faz referência à sua campanha de 2014. A decisão é do Juíz eleitoral Gustavo Vilas Boas, que entendeu a utilização da propaganda do governo comunista tem caráter, no mínimo subliminar, com elementos que coincidem com a campanha eleitoral.

A decisão foi em favor do Partido Republicano Progressista – PRP, o juiz entendeu que o trecho reclamado faz, de fato, propaganda eleitoral antecipada.

Flávio Dino tem até às 20 horas desta sexta-feira (8) para retirar a propaganda do ar, sob pena de multa diária de R$ 5 mil.

Esta não é a primeira vez que a justiça eleitoral pune o governador do Maranhão, por praticar campanha antecipada. Virou rotina, um crime atrás do outro…

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Funcionários públicos derrotam Flávio Dino

Funcionários Públicos derrotam Flávio Dino Click To TweetSINTSEP já convocou todos os servidores estaduais a levarem a documentação necessária à execução da sentença

O Supremo Tribunal Federal  – STF, bateu o martelo e decidiu que o Governo do Estado do Maranhão deverá pagar a diferença salarial de 21,7% devida a algumas categorias do serviço público estadual. Agora, o SINTSEP convoca todos os servidores a trazerem a documentação necessária para o cumprimento da execução da sentença. Os documentos devem ser entregues na sede do sindicato, na Casa do Trabalhador.

Essa diferença é devida desde março de 2006, quando o então governador José Reinaldo Tavares concedeu, a título de reposição salarial, índice maior para determinadas categorias, prejudicando outras. A assessoria jurídica do SINTSEP ingressou com uma ação judicial reivindicando que essa diferença salarial de 21,7% fosse paga, também, às categorias de servidores públicos civis do Poder Executivo, que tiveram índice menor de reajuste como, por exemplo, Magistério 1º e 2º grau; Magistério Superior; Grupo ADO (Apoio Operacional, Apoio Administrativo e Apoio Técnico); delegados; auditores; defensores públicos; policiais civis; e agentes penitenciários.

O reajuste será implantado no contracheque do servidor e o pagamento retroativo a março de 2006 será pago através de precatório. É mais uma conquista do SINTSEP, que queremos compartilhar com todos aqueles que têm direito!

IRDR não atingiu ação do SINTSEP

O entendimento do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) no julgamento do Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas Nº 17015/2016 – que negou o reajuste de 21,7% aos servidores públicos maranhenses – não se aplica ao processo do SINTSEP, pois, quando do julgamento do IRDR, a ação do sindicato já se encontrava sob a jurisdição do Supremo Tribunal Federal, que deu ganho de causa.

Documentos necessários para dar início ao cumprimento de sentença

– Cópias do RG, CPF, comprovante de residência, portaria de nomeação do servidor, fichas financeiras ou contracheques de março de 2006 até junho de 2018, e preenchimento da procuração e autorização para dar seguimento à execução da sentença.

OBS: Os contracheques/fichas financeiras também poderão ser obtidas no site www.portaldoservidor.ma.gov.br. É necessário que o servidor se cadastre e acesse os dados com sua senha.

Com informações do SINTSEP

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Membro da base aliada de Dino, Roberto Costa tenta “virar” cabeça de Galdino

O Deputado Roberto Costa buscou junto ao secretário de Cultura, Diego Galdino, um maior número de apresentações aos grupos maranhenses no “São João para todos”

Aliados pelo poder, Flávio Dino e Roberto Costa na Assembleia Legislativa

O deputado Roberto Costa (MDB), usou a tribuna na sessão de ontem, terça-feira (5), para defender a ampliação e a participação das brincadeiras nas festas juninas, na programação do Governo do Estado. O parlamentar entrou em contato com o Secretário de Estado da Cultura, Diego Galdino, que se colocou à disposição desde o primeiro momento, para realizar uma audiência e discutir a participação dos grupos artísticos no São João do Maranhão.

“O edital também não pode deixar de oportunizar um número muito maior de vagas para atender às demandas existentes de brincadeiras. O edital é importante? É, porque democratiza positivamente a participação de todas as brincadeiras. E o nosso objetivo junto com o Secretário de Cultura, Diego Galdino é buscar soluções para contemplar o maior número de manifestações culturais”.  

O deputado destacou as brincadeiras juninas também na formação de jovens e na valorização da cultura.

“Muitos jovens das comunidades têm as brincadeiras juninas como oportunidade de lazer e valorização da cultura. É por meio da cultura que vem o bailar do Cacuriá, a Dança do Boiadeiro, a Dança Portuguesa, uma miscelânea de valores e costumes de um povo. Conviver com esta arte, é trazer a formação de um cidadão, é o reconhecimento da cultura da sua cidade, do seu estado”.

O parlamentar ressaltou a importância da criação de um grupo da Secretaria de Estado da Cultura para orientar os representantes artísticos, em relação aos critérios de exigência do edital. Dessa forma, ampliará o número de brincadeiras nos eventos juninos.

Roberto Costa reconheceu o trabalho feito pela Secretaria de Estado da Cultura e afirmou que o secretário é solícito as suas reivindicações.

“Todas às vezes que nós procuramos o Secretário Diego Galdino ele nunca nos faltou, inclusive em relação a isso. Nós precisamos buscar uma solução rapidamente. Nós precisamos oportunizar o maior número de vagas para essas brincadeiras dentro de nosso São João. E quem ganha com a apresentação das brincadeiras, na verdade, é o povo do Maranhão. E tenho certeza que o Diego não vai lhes faltar com essa resposta extremamente positiva”, concluiu o parlamentar.

Em tempo: como o deputado Roberto Costa faz parte da base aliada do governo Flávio Dino, ele deve conseguir “dobrar” o secretário Diego Galdino, para aumentar uma ou outra apresentação.

E mais: estas apresentações extras devem ser pagas pela empresa M.Rayanne, que recebe dinheiro do órgão público e repassa uma parte às brincadeiras.

Com informações do Blog de Marco D’éça, alterado por este Blog

 

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

São João do Maranhão no vermelho…

Com a panelinha dos amigos de Márcio Jerry – já que Flávio Dino não tem qualquer vínculo com a cultura maranhense – governo comunista promove São João descaracterizado com artistas nacionais

Para quem usa chapéu de boiero e matraca em pleno carnaval, Flávio Dino está adequado a um São João com Agnaldo Timóteo

O governador Flávio Dino (PC do B), descaracterizou os últimos quatro carnavais maranhenses para fazer graça aos seus amiguinhos comunistas, que receberam para cantar nos bailes pagos com dinheiro público.

Agora, faz isso também com o São João, em que deixa de fora artistas com forte vínculo com a cultura maranhense de raiz, para botar nos palcos amiguinhos de faculdade – sobretudo do ex-secretário Márcio Jerry, já que Dino tem pouca ou nenhuma relação com as artes e a cultura maranhense.

O “São João de Todos Nós” terá artistas como Fagner, mais conhecido pela música romântica, e Agnaldo Timóteo, lenda viva do bolero, mas de pouca afinidade com o bumba-meu-boi ou os ritmos que marcam as festas juninas do Maranhão.

Artistas maranhenses tiveram que se submeter a um edital, que pedia, dentre outras coisas, até mesmo atestado de quitação com a Caema (?).

E muitos, como Mano Borges, foram desclassificados por não atenderem aos critérios do evento.

Ora, que critérios usaram os gênios da cultura do governo comunista para definir que Agnaldo Timóteo e Fagner tem a ver com o São João do Maranhão e Mano Borges não?

Filiada ao partido de Flávio Dino, Leci Brandão, ao lado do agressor de mulher, Netinho, ganhou cadeira cativa nas viradas do ano comunista

A panelinha comunista na cultura tem provocado aberrações como a presença de Elza Soares cantando no Carnaval ou a comunista Leci Brandão fazendo shows da virada um ano atrás do outro.

Outros artistas, como Betto Pereira e Carlinhos Veloz, também ignorados nos editais culturais do governo, manifestaram sua crítica de forma dura ao governo, mostrando, inclusive, que não precisam de editais para cantar em sua própria terra.

O São João vermelho de Flávio Dino é uma aberração cultural que descaracteriza a cultura maranhense.

É mais uma “avermelhação” dos signos e símbolos mais significativos do estado…

Com informações de ‘Estado Maior’, de O EstadoMaranhão

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Depois de acabar com o carnaval, Flávio Dino e Edivaldo Holanda Jr. bagunçam o São João

Carlinhos Veloz fez um duro discurso nas redes sociais

Municipio de São Luís:

O prefeito Edivaldo Holanda Jr demonstra com seus aliados que não suporta a cultura maranhense, que só beneficia alguns aliados, mais esquece a cultura ludovicense , efetivou o Marlon Botão como secretário de cultura, senhor esse que é repudiado por grande parte das verdadeiras pessoas que fazem cultura em São Luís, vamos ficar de olho para expor as emendas e convênios escabrosos que talvez irão ter no São João.

Governo do Estado:

O governador Flávio Dino (PC do B),por sua vez  mesmo arrecandando como nunca antes na história do Maranhão, conseguiu acabar com a cultura do estado, foi assim no carnaval, está sendo assim com o São João. O último festejo junino sob o comando dos comunistas está repleto de apresentações camaradas forasteiras e excluiu as associações culturais, grupos tradicionais e até mesmo os cantores da terra ficaram de fora do São João maranhense.

Desde que tomou conhecimento do dinheiro da Lei de Incentivo à Cultura, o governador utiliza os recursos para realizar as ações do próprio governo. Grupo Mateus, Cemar, Centro Elétrico e empresas estão pagando a conta.

Como o dinheiro que era para fomentar as associações culturais maranhenses está endo utilizado de forma errada pelo governo do estado, cantores maranhenses tais como: Mano Borges, Betto Pereira, Carlinhos Veloz dentre outros estã fora da programação, para dar espaço para Agnaldo Timóteo, Alceu Valença e Fagner, até Lairton dos Teclados, que anda fazendo ‘jingle’ do governador foi agraciado no São João.

Em tempo: o governo comunista alega que os artistas locais não apresentaram propostas para o edital de chamamento público.

E mais: e os cantores forasteiros, entram na licitação do São João???

Pra fechar: como afirmamos, em apenas 4 anos, Flávio Dino acabou com o carnaval e bagunçou o São João do Marahão.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Blog do Filipe Mota is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache