Blog do Filipe Mota - Notícias de última hora

Enquanto Flávio Dino estava na posse de Ministra, bandidos tocavam terror em São Luís

Qual o objetivo de um governador de estado ir à posse de uma ministra no Supremo Tribunal Federal – STF???

fd-cl

O governador Flávio Dino (PC do B), esteve presente na posse da ministra Cármen Lúcia, na presidência da suprema corte, enquanto ele prestigiava o coquetel da posse, bandidos tocavam terror na capital ludovicense, isso sem contar o clima de terror que já vive os muitos outros municípios maranhenses, com explosões a agências bancárias que amedrontam nosso povo. Na posse da magistrada, ontem (12), ao passo que celebridades se reversavam para cumprimentá-la, o cantor Caetano Veloso atrai a atenção cantando o hino nacional.

O ponto alto mesmo foi o puxão de orelhas do ministro Celso de Mello, na qual falou “da intimidade do poder para com os marginais da república”, uma clara referência ao ex-presidente Luís Inácio Lula e demais políticos que se faziam presentes.

Cármen Lúcia mencionou a presença da população nas ruas, mas evitou citar diretamente as investigações contra políticos. Ela afirmou que é necessário transformar o Judiciário e prometeu dar transparência a propostas para aperfeiçoar o funcionamento do tribunal e tornar o país mais justo. “O Brasil é cada um e todos nós, o Brasil que quereremos que seja pátria mãe gentil para todos e não somente para alguns”, declarou.

Ao discursar, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, citou nominalmente a operação Lava Jato e disse que a classe política tenta prejudicar os responsáveis pelos trabalhos.

Declarou ser inaceitável a reação do “sistema adoecido” contra a investigação, disse que “o Brasil precisa mudar” e fazer uma depuração na política.

O governador do Maranhão, precisa entender que ele largou a toga, que é ex-juíz, e que agora, faz parte da classe política e tem um estado com mais de 6 milhões de habitantes a quem ele fez inúmeras promessas durante o período de campanha eleitoral, para comandar.

Na verdade, era melhor o governador Flávio Dino ter ficado no Maranhão e administrar a máquina pública estadual, pois, o que seu viu mesmo durante a solenidade, foi um achincalhe à classe política a quem o governador pertence.

Inclusive, a cerca da “Operação Lava-Jato”, por pouco não foi falado da dinheirama derramada nas campanhas dos governadores eleitos e financiados por empreiteiros presos e condenados na operação. Senão, a situação do governador comunista seria mais vexatória do que já foi.

Curta e Compartilhe nas Redes Sociais

Blog do Filipe Mota is Stephen Fry proof thanks to caching by WP Super Cache